quinta-feira, 25 de março de 2021

Ryse: Son of Rome (Xbox Series S)

Do criador de Far Cry e Crysis, Cervat Yeli, Ryse: Son of Rome é um exclusivo Xbox que foi lançado juntamente com o Xbox One em 2013. O plano era que este triple A fosse o carro chefe do novo console, quem sabe até o God of War da Microsoft. 

Bem, a coisa não deu tão certo assim, Ryse acabou sendo recebido com frieza pela crítica (60/100 no Metacritic) e o Xbox One, por vários motivos que não cabem aqui, pegou uma surra de enxada do Playstation 4. Ok, mas e o jogo? Pode não ter cumprido as expectativas dos executivos da Microsoft, mas garanto que é um hack & slash bem divertido.

O enredo é desenvolvido de maneira decente, uma trama genérica, porém competente, sobre um soldado romano que é traído e busca vingança (inspirado no filme Gladiador, que por sua vez tinha Ben Hur como modelo). O jogo tem elementos de ação/aventura e claro, combates intermináveis. O sistema de luta é simples e funcional, controles em sua maioria respondem velozmente, e o espetáculo é temperado por finalizações brutais de espada e escudo.

Há algumas variações na ação, como nos momentos que você lidera uma formação de escudos e comanda algumas decisões táticas, mas basicamente você vai lutar até cair o dedo. O game ainda tem um visual bonito, acontece que os quase 8 anos já pesam na questão da câmera irregular e na AI dos chefes, muito fáceis e simples de vencer nesses tempos onde Souls-like é a referência.

A campanha deve ter por volta de 8 horas e pode ser finalizada num fim de semana, então pra quem procura diversão desencanada, descansar a mente entre jogos mais complexos, Ryse ainda hoje vale uma espiada. 

Nota 7,5